Santa Teresinha do Menino Jesus

 


 

 

Maria Francisca Teresa Martin Guérin nasceu em  Alençon (França) em 2 de janeiro de 1873. Seus pais foram os Beatos Luis Martin e Zélia Guerin. Foi a última dos nove filhos deste santo casal, dos quais sobreviveram cinco filhas: Maria, Paulina, Leônia, Celina e Teresa, sendo que, com exceção de Leônia que tornou-se visitandina, todas as outras foram carmelitas no Carmelo de Lisieux. 

Seus primeros anos de vida foram muito felizes, porém quando tinha quatro anos sua mãe faleceu vítima de um câncer.  Isto afetou-a muito, transformando-a de viva e alegre em uma menina tímida e hipersensível. No Natal de 1886, após a entrada de Paulina e Maria no Carmelo de Lisieux,  Teresa recebe o que chamou de "a graça da conversão", que a faz superar sua extrema sensibilidade e encontrar sua felicidade no esquecimento de si mesma.

 

Com a permissão do papa Leão XIII ingressa no Carmelo  de Lisieux no dia 9 de abril de 1888 com apenas 15 anos de idade.

 

O contato com a Palavra de Deus faz com que ela descubra o amor misericordioso do "Bom Deus" e sua ternura paterna e materna.

 

Teresa lança-se totalmente  nesse amor como uma criança nos braços de seu pai fazendo o "ato de oferecimento de si mesma ao amor misericordioso de Deus". Seu desejo e aspiração era viver e morrer de amor.

 

Seu caminho é denominado por ela "via da infância espiritual" ou "pequena via", o qual explica em sua autobiografia "História de uma alma".

 

Falece vítima de tuberculose em 30 de setembro de 1897.

 

A partir de então começa o "furacão de glória" de Teresa. Ela que passou 9 anos na clausura, numa pequena cidade francesa, conhecida somente por um pequeno círculo de pessoas, misteriosamente após sua morte  e difusão de seus manuscritos autobiográficos começa a ser conhecida e invocada por pessoas do mundo inteiro e a conceder graças e milagres. Cumpria-se, assim, a sua promessa: "Quero passar o meu céu fazendo o bem sobre a terra".

 

Foi canonizada  em 17 de maio de 1925 pelo Papa Pio XI que a chamou "estrela do meu pontificado".

 

O Papa Pio XII declarou-a Padroeira das Missões ao lado de São Francisco Xavier e São João Paulo II declarou-a Doutora da Igreja em 19 de outubro de 1997.

 

 

"Ó Jesus, meu Amor! Encontrei, enfim, minha vocação...

Minha vocação é o Amor!"

                                                                                                            Santa Teresinha


 

Santa Teresinha em seu leito mortuário

Santa Teresa de Los Andes


 

Joana Fernandez Solar nasceu em Santiago do Chile em 13 de julho de 1900.

Desde a sua adolescência foi fascinada pelo Cristo.

Entrou no Carmelo de Los Andes no dia 7 de maio de 1919, recebendo o nome de Teresa de Jesus.

Faleceu de tifo no dia 12 de abril de 1920, antes de ter completado 20 anos e após ter feito sua Profissão religiosa no leito de morte.

Foi canonizada por São João Paulo II no dia 21 de março de 1993 e proposta como modelo para os jovens.

É uma das padroeiras da Jornada Mundial da Juventude ao lado de Santa Teresinha.


 

"Só Jesus é belo, só Ele pode alegrar-me... Há algo de bom, de belo, de verdadeiro que possamos pensar e que não exista em Jesus?

Ele é minha riqueza infinita, a minha beatitude, o meu céu.

                                                                                                                            (Santa Teresa de Los Andes)

 

 


 

Santa Teresa Margarida

"Vim ao Carmelo para vencer na corrida do amor".

                                                                   (Santa Teresa Margarida)

 


 

Ana Maria Redi nasceu em Arezzo, Itália, em 1747, da nobre e católica família Redi.

Entrou para o Carmelo de Florença no dia 1º de setembro de 1764.

Teve uma particular experiência contemplativa fundada na palavra do Apóstolo e Evangelista São João: "Deus é amor".

Viveu no amor e na imolação de si mesma e atingiu rapidamente a perfeição no serviço constante e heróico a suas irmãs.

Morreu no dia 7 de março 1770 com apenas 23 anos de idade.

Foi canonizada pelo Papa Pio XI em 12 de março de 1934.

 

Santa Teresa Benedita da Cruz

(Edith Stein)

"Só se adquire a ciência da cruz, carregando-a nos ombros".

                                                                                            (Santa Teresa Benedita da Cruz)

Edith Stein nasceu em Breslau, Alemanha, no dia 12 de outubro de 1891, de uma família hebréia.

Foi educada no judaísmo, mas abandonou a religião de seus pais na adolescência e viveu um período de ateísmo.

Apaixonada pesquisadora da verdade, de inteligência brilhante, doutorou-se em Filosofia e tornou-se assistente do famoso filósofo Edmund Husserl, fundador da fenomenologia.

Porém, seu encontro com a Verdade deu-se após a leitura da autobiografia de Santa Teresa de Ávila. Ao terminar a leitura do livro disse para si mesma: "Aqui está a verdade".

Foi batizada na Igreja Católica no dia 1º de janeiro de 1922 e ingressou para o Carmelo de Colônia em 15 de outubro de 1933.

No dia 2 de agosto de 1942 foi presa pelos nazistas no Carmelo de Echt, na Holanda, onde tinha se refugiado e, aos 9 de agosto de 1942 morreu na câmara de gás do campo de concentração de Auschwitz.

Foi canonizada por São João Paulo II em 11 de outubro de 1998 e é uma das co-padroeiras da Europa.

 

 


 

Santa Elisabeth da Trindade

"Encontrei o meu céu na terra, nesta querida solidão do Carmelo onde estou a sós com meu único Deus. Tudo faço com ele

e realizo todas as coisas com alegria divina".

                                                                                                     (Santa Elisabeth da Trindade)

Elisabeth Catez nasceu no acampamento militar de Avor, Bourges, na França, no dia 18 de julho de 1880.

Em 1901 ingressou no Carmelo de Dijon recebendo o nome de Elisabeth da Trindade.

No Carmelo, Elisabeth fez do significado de seu nome ,"casa de Deus", um programa de vida.

O mistério de ser habitada pela Trindade a fascina:"Eu sou “Elisabeth da Trindade”, ou seja, a Elisabeth que desaparece, que se perde nos Três e se deixa invadir por eles".

Sua aspiração era viver como um "louvor de glória" à Santíssima Trindade.

Em 21 de novembro de 1904 escreve a sua "Elevação à Santíssima Trindade", síntese de sua vida e espiritualidade.

Falece aos 9 de novembro de 1906.

Foi beatificada por S. João Paulo II no dia 25 de novembro de 1984 e canonizada pelo Papa Francisco em 16 de outubro de 2016.