O Carmelo

A Ordem da Bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo leva o nome do local da Palestina onde nasceu: o Monte Carmelo.

Sua origem está ligada à pessoa do Profeta Elias, o homem da "presença de Deus", e que surge na Escritura para lembrar ao povo de Israel a "Aliança" com o Senhor dos Exércitos. Por isso, os traços principais da vida do Profeta Elias marcam a Ordem do Carmelo:

  • É o Profeta solitário (1Rs 19,1-8).

  • É o Profeta zeloso pela glória de Deus (1Rs 18,21; 19,10).

  • É o Profeta da presença de Deus, que reconhece o Senhor numa brisa (Cf. 1Rs 19,12-13).

  • É o Profeta que intercede (1Rs 17,1.7-16.17-23)

 

O surgimento da Ordem

 

No final do século XII e início do século XIII, um grupo de fiéis europeus, ex-combatentes das Cruzadas e peregrinos, passam a viver como eremitas no Monte Carmelo, junto à "fonte de Elias". Seu modo de vida é inspirado no Profeta Elias e nos filhos dos Profetas que ali viveram.

Por volta do ano de 1209, Santo Alberto, Patriarca de Jerusalém lhes dá, conforme seu pedido, uma Regra de vida (em vigor até os nossos dias) e, assim, eles passam a constituir a Ordem da Bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo.

No Monte Carmelo esses eremitas constroem uma capela dedicada a Maria, vendo nela a Mãe dedicada, a Irmã que compartilha a mesma vida, a Mestra de oração e de escuta da Palavra de Deus, "modelo e ideal de consagração", enfim, o protótipo do verdadeiro carmelita.

Em 1238, os carmelitas (como passaram a ser chamados) são obrigados a deixar o Monte Carmelo e se estabelecem na Europa, deixando de viver como eremitas, passando a exercer trabalhos apostólicos, porém, conservando seu ideal contemplativo. O ramo feminino da Ordem surge no século XV.

      

Fonte de Elias

Monte Carmelo

O Carmelo teresiano

Teresa de Jesus nasceu em Ávila (Espanha) no dia 28 de março de 1515. Aos 20 anos de idade ingressa no Mosteiro das Carmelitas de sua cidade natal, onde vive 26 anos.

Em 1562 respondendo a um apelo divino e como consequência de um intenso processo de vida espiritual, Teresa funda o primeiro Carmelo da Reforma ou Descalço. Queria desse modo resgatar o espírito primitivo da Ordem. Portanto, não quis fundar uma nova Ordem, mas assegurar a continuidade do Carmelo.

Santa Teresa direcionou toda a sua obra fundacional para um sentido profundamente eclesial e apostólico: queria que suas filhas fossem "amigas" do Senhor pela vida de oração e de união com Ele, para alcançar favores e graças para o mundo inteiro, mas, principalmente para os sacerdotes a fim de, através deles, salvar muitas almas.

 

 

"A Origem da família teresiana no Carmelo e o sentido de sua vocação na Igreja estão intimamente vinculados ao processo da vida espiritual e ao carisma de Santa Teresa; sobretudo às graças místicas que a moveram a renovar o Carmelo, orientando-o completamente à oração e  contemplação das coisas divinas, vivendo os conselhos evangélicos segundo a Regra primitiva, em uma pequena comunidade fraterna, fundada na solidão, oração e estrita pobreza" (Constituições, 4).

 

Santa Teresa orientou "ao serviço da Igreja a oração, o retiro e a vida inteira das carmelitas descalças" (cf. Constituições, 5). "Por isso em virtude de sua vocação, estão chamadas à contemplação tanto na oração como na vida [...] Por exigência do carisma teresiano, a oração, a consagração e todas as energias de uma carmelita descalça devem estar orientadas para a salvação das almas" (Constituições,10).

 

 

 

Ávila - Espanha